Feliz Natal – 2013

O blog “Parceiros pela Paz” deseja à todos um Feliz Natal em todos os idiomas e culturas.

Que neste Natal as diferenças sejam deixadas de lado e a Paz reine no mundo.

Imagem

USP lança primeiro curso virtual gratuito de nível superior da América Latina

Imagem

A Universidade de São Paulo e o portal Veduca lançam, nesta semana, o primeiro Mooc (cursos virtuais, gratuitos e de nível superior) da América Latina. Os cursos serão ministrados por professores da instituição e veiculados pela plataforma. Por enquanto, as duas disciplinas previstas são física mecânica básica e probabilidade e estatística. O lançamento, marcado para o próximo dia 12, coloca o Brasil no centro de um movimento internacional que tem mexido com a educação superior, em que universidades tradicionais oferecem gratuitamente aulas para milhões de pessoas espalhadas pelo mundo.

Tradicionalmente, os brasileiros estão entre os mais assíduos em plataformas como o Coursera – lançado pelas universidades de Stanford, Michigan, Pennsylvania e Princeton – e edX – iniciativa de Harvard e MIT. Mas, até agora, não havia uma instituição de nível superior brasileira que oferecesse aulas gratuitas e virtuais de forma massiva para qualquer interessado. Os professores que assumem a responsabilidade de começar são Vanderlei Salvador Bagnato, coordenador da Agência USP de Inovação e responsável pela disciplina de física, e a dupla Melvin Cynbalista e André Leme Fleury, que dará aula de estatística no Departamento de Engenharia de Produção.

“Buscamos professores interessados em participar. Com o anúncio, outros professores e até outras universidades já demonstraram interesse em oferecer cursos”, afirma Eduardo Zancul, sócio do Veduca. Algumas instituições – como a Unicamp, a Unesp e a própria USP – já haviam dado passos no sentido de oferecer videoaulas, animações e outros materiais para consulta por meio de seus sites. Os Moocs, no entanto, dão um passo além, uma vez que os alunos são inscritos numa disciplina com começo, meio e fim, com exercícios a completar e grupos com os quais deverão interagir. “Nós dividimos aulas longas em vídeos menores, com quizzes no meio. Em breve, teremos um chat ao vivo para os alunos que estão on-line”, diz Zancul.

Os cursos que entram no ar na semana que vem terão entrada contínua. Isso quer dizer que, a qualquer momento, um interessado em estudar física mecânica básica poderá se inscrever no curso (não haverá período fixo de inscrição). “Mas se ele ficar duas semanas sem aparecer, nós mandamos um email lembrando”, afirma o empreendedor. Ao cumprir todas as aulas e atividades, os alunos deverão fazer uma prova presencial na USP para conseguir um certificado de conclusão. “O que vamos atestar é que aquele estudante tem um conhecimento compatível com o que se espera em física básica. Esperamos que universidades particulares possam usar essas aulas”, afirma Bagnato.

Para o professor de física, oferecer a melhor formação possível para qualquer interessado é interesse de todos, uma vez que contribui para o desenvolvimento do país. “Se tivermos 15.000 inscritos e só 1.000 terminarem, teremos 1.000 pessoas a mais bem formadas. Todo mundo ganha com isso”, afirma Bagnato. Em seu curso, o físico prevê também o lançamento de kits de “ciência na prática”, que poderão ser comprados on-line para complementar a formação oferecida pelo Mooc. “Não temos como oferecer esse material de graça. Com ele, o aluno faz a prática e submete o relatório. Isso é diferente de tudo que já foi oferecido”, garante.

Criada em 1934, a Universidade de São Paulo é tida como a melhor universidade do país por vários rankings internacionais, como pelo QS World University. Já o Veduca foi um portal surgido no ano passado com o intuito de legendar para o português videoaulas de grandes professores de universidades de renome com o objetivo de “democratizar a educação de alta qualidade no Brasil”, como afirmam em seu site. Ao longo de 2012, a plataforma foi crescendo e hoje já conta com mais de 5.000 vídeos assistidos mais de 172 milhões de vezes. No início do ano, o portal chamou a atenção de um grupo internacional recebeu um aporte financeiro do grupo editorial inglês Macmillan.

http://www.veduca.com.br/home/index

14 anos do Ministério da Defesa

14 anos do Ministério da Defesa

1º FORUM MUNDIAL SOBRE O CRIME, A SEGURANÇA E AS METAS DA ONU PARA O NOVO MILÊNIO

Sob os auspícios e em celebração ao 75º Aniversário da Sociedade Internacional de Criminologia, Órgão Consultivo da ONU e do Conselho da Europa, com sede em Paris, França.

05 á 07 de agosto de 2013

Maksoud Plaza – São Paulo/ SP – Brasil

Objetivos

I – Apoiar a criação da Universidade Mundial de Segurança e Desenvolvimento Social da ONU – sede Brasil, que disseminará o conhecimento internacional da segurança humana, a partir da ciência, tecnologia e inovação, e promoverá a cooperação, governança e prosperidade sustentável dos povos no Novo Milênio.

II – Destacar o papel da tecnologia de ponta nas estratégias de prevenção e combate ao crime e controle da violência face aos efeitos da globalização.

III – Dimensionar a política de intercâmbio e de cooperação para a defesa dos direitos humanos em nível regional e internacional.

IV – Apresentar as diretrizes do Observatório de Criminologia Acadêmica mantido pela Sociedade Internacional de Criminologia.

V – Oferecer subsídios ao Programa Fórum Global sobre Lei, Justiça e Desenvolvimento do Banco Mundial.

Certificação

O certificado de participação do fórum será expedido pela Sociedade Internacional de Criminologia, órgão consultivo da ONU e do Conselho da Europa, com sede em Paris.

Para se inscreverem, acessem o site: http://www.segurancahumana.com

Secretário-geral assistente da ONU fará palestra dia 5 de junho em São Paulo

Secretário-geral assistente da ONU dá palestra dia 5 de junho em São Paulo. Foto: PNUD

A PUC-SP sediará na próxima quarta-feira (5), em parceria com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), a palestra “A ONU em um mundo em transição: Novas oportunidades e desafios para o Brasil e demais economias emergentes”, com o secretário-geral assistente das Nações Unidas e diretor do Escritório para Políticas de Desenvolvimento do PNUD, Olav Kjorven.

A discussão procurará abordar temas como os processos decisórios das Nações Unidas, desenvolvimento humano, a configuração da nova agenda global que deverá substituir os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) em 2015, a participação popular na definição das novas metas globais de desenvolvimento, além de expor as oportunidades de trabalho na ONU.

Serviço: “A ONU em um mundo em transição: Novas oportunidades e desafios para o Brasil e demais economias emergentes”, com o secretário-geral assistente das Nações Unidas e diretor do Escritório para Políticas de Desenvolvimento do PNUD, Olav Kjorven.
Dia: 5 de junho, quarta-feira
Horário: das 11h às 12h30
Local: Sala T-41, Prédio Sede.
Favor confirmar presença através deste link (clique aqui). A obtenção de certificado será condicionada ao preenchimento desse formulário.

Fonte: http://www.onu.org.br/secretario-geral-assistente-da-onu-fara-palestra-dia-5-de-junho-em-sao-paulo/

Peacekepers

Peacekepers

Missões de paz da ONU: Novos desafios em tempos de mudança

Inline image 1

No dia em que a ONU lembra os mais de cem mil civis, militares e policiais que trabalham nas Forças de Paz da Organização, o subsecretário-geral das Nações Unidas para as Operações de Manutenção da Paz, Hervé Ladsous, faz um balanço sobre o trabalho da ONU nesta área e sobre os desafios que a Organização enfrenta para manter a paz e segurança internacionais. Sua publicação é bem-vinda.

Leia a seguir:

“Novos desafios em tempos de mudança

Por Hervé Ladsous (*)

A história da manutenção da paz da ONU é de inovação e adaptação. Até cerca de 20 anos atrás, as missões de paz da pareciam simples. Capacetes azuis monitoravam cessar-fogos – geralmente entre países em guerra. Seu papel era claro: observaram, relatavam violações e facilitavam soluções.

As missões modernas atuam em situações muito mais complexas. Elas levam a paz a lugares brutalmente afetados por conflitos, muitas vezes internos, e onde os acordos são frágeis. Para enfrentar esses desafios, as forças de paz da ONU desenvolveram uma abordagem multidimensional com militares, policiais e civis trabalhando em várias áreas, incluindo direitos humanos e a proteção de civis.

Mas, no momento em que se prepara para atender novas demandas – da República Democrática do Congo (RDC) ao Mali e, possivelmente, Somália e Síria – a manutenção da paz enfrenta duas verdades:

Em primeiro lugar, a manutenção de paz da ONU não pode substituir um acordo político. Missões de paz devem ser sustentadas por uma estrutura política clara.

Na República Democrática do Congo, por exemplo, o acordo de paz aprovado por 11 países, é uma plataforma indispensável para romper o ciclo recorrente de violência e ajudar nos esforços da Missão de Estabilização das Nações Unidas na RDC (MONUSCO), que será comandada pelo General de Divisão brasileiro Carlos Alberto dos Santos Cruz.

No Mali, há muito trabalho a ser feito para o processo de reconciliação política que vai moldar o trabalho da Missão Multidimensional Integrada das Nações Unidas para a Estabilização no Mali (MINUSMA).

Em segundo lugar, a manutenção de paz da ONU precisa de mais e melhores ferramentas e habilidades. Temos de garantir que nossas missões tenham os recursos necessários para responder de forma apropriada.

No leste da RDC, onde grupos armados ameaçam civis, estamos respondendo com uma nova Brigada de Intervenção e com o uso de veículos aéreos não tripulados desarmados para monitorar o movimento destes grupos. Estas ferramentas dão a nossa missão vantagem tática, mobilidade e efeito dissuasivo.

Estas novas abordagens levantam preocupações e alguns afirmam que a manutenção de paz da ONU está pendendo para a guerra. Não é o caso. Nosso mandato do Conselho de Segurança é claro: o uso da força pelos nossos soldados da paz na RDC é a exceção, não a regra.

A mudança dos conflitos armados exige mudanças na manutenção de paz. Cada vez mais as forças de paz operam em ambientes de alto risco, onde a busca pela paz e a estabilidade são esquivas. Mas a manutenção de paz da ONU, ao abordar a natureza dos conflitos do século 21, tem que se adaptar a esses novos contextos, sem esquecer os princípios fundamentais que norteiam esta atividade desde 1950: atuar com imparcialidade e operar com o consentimento das partes.

Em 2012, 111 soldados perderam suas vidas à serviço da ONU. Muitos morreram no cumprimento do dever. Em abril deste ano cinco soldados foram mortos no Sudão do Sul, quando o comboio de civis que estavam escoltando foi atacado. Em junho do ano passado, sete soldados foram mortos na Costa do Marfim, quando sua patrulha foi atacada. Também perdemos capacetes azuis em ataques em Darfur, Abyei e na República Democrática do Congo, no ano passado.

Apesar das ameaças, antigas e novas, as forças de paz da ONU continuam fazendo o que fazem de melhor: ir onde os outros não podem ou não querem ir, para ajudar pessoas e comunidades em conflito.”

________________
Hervé Ladsous é subsecretário-geral das Nações Unidas para as Operações de Manutenção da Paz.

Loja Virtual da ONU

Aos interessados em adquirir souvenirs da ONU, basta acessar esta site:
https://unp.un.org/bookshop/default.aspx

Mulheres Advogadas – uma transformação na sociedade brasileira

Imagem

Com a chegada do dia 08 de março e a comemoração em homenagem ao Dia Internacional da Mulher, somos levados a lembrar da luta feminina pelos direito à igualdade.

As mulheres lutaram primeiramente pelos seus direitos mais básicos dentro da sociedade. Naquela época eram desprovidas de conhecimento técnico e contavam com o apoio de alguns destemidos apoiadores aquém do seu tempo. Desta forma, insatisfeitas pela falta de direitos que lhes eram tolhidos buscaram se aprimorar em diversas áreas profissionais, entre elas o Direito!

Atualmente, as mulheres representam quase 50% do quadro de inscritos da OAB e já ultrapassaram a metade dos alunos das Faculdades de Direito espalhadas pelo país. Na mais alta Corte Judiciária – o STF – temos a presença das Ministras Cármen Lúcia Antunes da Rocha e Rosa Maria Weber Candiota da Rosa, ocupado primeiramente pela ilustre Ellen Gracie Northfleet, em 2000, feito inédito até então.

Não distante desta nova revolução, a OAB/SP distribuiu recentemente adesivos, o qual ostenta orgulhosa, em que consta a seguinte frase: “Consulte uma Advogada”. É a nova face da sociedade jurídica brasileira em destaque.

São tempos em que as leis não são apenas cobradas pelas mulheres, mas também são feitas por elas. Os preceitos jurídicos mudaram e conceitos antes adotados que exaltavam a desigualdade de gênero foram deixados no passado. O Estatuto da Mulher Casada foi uma das primeiras grandes revoluções jurídicas que corroboraram com a evolução da posição social da mulher. Este estatuto alterou alguns artigos do Código Civil Brasileiro de 1916 e garantiu o direito de trabalhar fora do lar sem a autorização do marido ou do pai e, em caso de separação do casal, o direito à guarda do filho. O Código Civil de 2002 já trouxe todas essas alterações em seu próprio texto. Outras leis, como a Lei Maria da Penha, colocam as mulheres em situação privilegiada quando se trata de violência doméstica.

Que as vitórias sejam consagradas, contudo ainda nos resta muito a conquistar. Somos um país sub-representado no Poder Legislativo e no Poder Executivo, um país em que as mulheres dificilmente atingem cargos diretivos dentro de sua respectiva área e que recebem até 60% menos do que os homens ainda que ocupem cargos idênticos.

Desta forma, resta-nos como advogadas continuar a lutar pelos direitos das mulheres, ou seja, pelos nossos próprios direitos.

Caroline Alves Salvador

Presidente da Comissão da Mulher Advogada – OAB/SP – Subseção de Jacupiranga

 

ONU lança sites em português sobre crises na Síria e no Mali

Inline image 2

As Nações Unidas lançam nesta segunda-feira (4) dois sites especiais em português sobre duas das maiores crises em andamento no mundo. Produzidos pelo Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC Rio), os sites tratam da recente crise no Mali, localizado no coração da África Ocidental, e dos conflitos na Síria, país do Oriente Médio que há dois anos está mergulhado em uma crise e cujo número de vítimas já passa de 60 mil.

As páginas tanto da Síria quanto do Mali possuem uma contextualização resumida da situação atual, um mapa explicativo, a forma como as pessoas podem ajudar os atingidos pelos conflitos, notícias diárias, imagens das equipes da ONU nos respectivos países e nas regiões onde se concentram os refugiados, bem como diversos canais para que as pessoas possam se manter atualizadas sobre a situação.

É possível acessar os sites por meio dos seguintes links: www.onu.org.br/siria e www.onu.org.br/mali

Entenda as crises

O conflito na Síria continua causando sofrimento humano e destruição imensuráveis. Dados compilados pelo escritório de direitos humanos da ONU indicam que mais de 60 mil pessoas foram mortas desde março de 2011, quando começou o levante contra o Presidente Bashar al-Assad.

A estimativa é que mais de quatro milhões de pessoas necessitem de assistência humanitária urgente. Até o começo de janeiro, o número de refugiados sírios no Egito, Iraque, Jordânia, Líbano e Turquia já superava os 600 mil.

No Mali – um vasto país encravado na região do Sahel – a situação política, social e de segurança é volátil, após um golpe de Estado em março de 2012 e que grupos armados tomaram três regiões no norte do país. Isto causou movimentos populacionais dentro do Mali e também para países vizinhos.

A nação é a 175º colocada entre 187 países avaliados pelo Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e cerca de 69% da população vive abaixo da linha de pobreza. Além disso, mais de um quinto das crianças em idade escolar não frequentam aulas: três quartos das quais são meninas.

Foto: Criança aguarda, curiosa, para ser registrada em um centro em Al Beereh (Líbano). (ACNUR / S.Malkawi)

 

Mais informações

Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC Rio)

Valéria Schilling e Gustavo Barreto
(21) 2253-2211 e (21) 8202-0171 | (21) 8185-0582
unic.brazil@unic.org | valeria.schilling@unic.org | gustavo.barreto@unic.org

%d blogueiros gostam disto: